Descubra o quanto sua operação está deixando de economizar todos os meses através da calculadora do Prolog.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Glossário de pneus: termos mais usados sobre o ativo

Utilize o glossário de pneus para conhecer os principais termos usados na gestão de pneus de uma transportadora.
Confira os termos mais usados para a gestão de pneus neste glossário exclusivo.

A gestão de pneus é uma parte fundamental na rotina das operações de transportes e entender tudo sobre esse ativo é um dever do gestor de pneus, e claro, do gestor de frotas.

Para quem já atua na área, às vezes pode acabar esquecendo o que algum termo significa. Agora, imagina para quem está começando, é muita coisa para memorizar, concorda?

Algo que pode facilitar o dia a dia é ter um glossário dos termos mais usados quando o assunto é pneus. O conteúdo pode se tornar uma ferramenta de consulta para todos da operação.

E a boa notícia é que nós desenvolvemos esse material. A seguir, confira o glossário de pneus, onde os seguintes termos são explicados:

Aderência dos pneus

De forma geral, a aderência dos pneus está relacionada à capacidade máxima de tração que eles geram e aguentam nas estradas, em momento de acelerações, travas ou curvas. 

Ou seja, trata-se do atrito gerado quando estão em movimento.

Cada marca e modelo de pneu possui diferentes características em sua estrutura e composição, até mesmo pela qualidade dos materiais utilizados na fabricação. Estes são todos fatores que influenciam na aderência dos ativos.

Além destes, a profundidade e desenho dos sulcos possuem um papel importante para esta determinação. De maneira geral, quanto mais fundos forem os sulcos, maior a sua aderência ao solo.

Planilha gratuita para o controle de pneus na frota

Organize em um só lugar o registro de todos os pneus de sua operação e reduza custos através de uma maior vida útil e menor consumo de combustível.
Eu concordo com os Termos de Uso e aceito receber conteúdo educacional e promocional relacionado com os produtos e serviços da PrologApp.

Já em relação aos desenhos, quando são em formato de “V”, por exemplo, são modelos mais adequados para dias de chuva e pistas alagadas, fazendo um melhor trabalho de drenar o líquido sem risco de derrapagem.

Estrutura do pneu

A estrutura de um pneu, ao contrário de uma característica como a aderência, não muda de um modelo para outro. Um pneu sempre tem:

  • Banda de rodagem – parte do pneu que toca a superfície e onde estão presentes as ranhuras e sulcos do pneu;
  • Ombro – onde a banda de rodagem e o flanco se unem;
  • Flanco – a parte lateral do pneu, onde você encontra as informações sobre cada modelo, como o seu tamanho, data de fabricação, etc.;
  • Cintas estabilizadoras – as cintas funcionam elas como estabilizadoras do pneu, auxiliando para rodar com maior segurança e equilíbrio, também protegendo a carcaça de impactos e perfurações;
  • Carcaça – esta é a parte interna que sustenta o pneu.

Índice treadwear

O índice treadwear está localizado na lateral do pneu e serve para indicar uma média de tempo com que ele se desgasta. 

Resumidamente, os números variam entre 60 a 620, sendo o valor de referência 100. E, quanto menor o número, mais rápido o item é comprometido. 

Para explicar melhor, se o pneu possui um índice treadwear (TWI) de 80, existe a expectativa de que ele dure mais do que um de índice 60, mas ambos possuem um desgaste acelerado ao considerar o valor de referência. 

Já os pneus de índice acima de 100 têm a probabilidade de durar mais tempo. Isto é, um com valor de 200 poderia durar até 2 vezes mais que o valor de referência.

Contudo, não tome isto como verdadeiro para todos os casos. Pode ser que o índice treadwear de um pneu seja menor e dure mais tempo, ou que um pneu com alto índice dure muito pouco. 

Afinal, a durabilidade dos pneus também depende de como foi fabricado e sua qualidade no geral.

Sulcos dos pneus

Os sulcos dos pneus são os “furos” padronizados na banda de rodagem. Eles podem ter vários formatos e disposições ao longo da banda do pneu, mas sempre apresentam a mesma função:

Ajudar tanto na passagem de ar, promovendo a aderência ao solo, quanto na passagem de água, evitando derrapagens e aquaplanagens.

A profundidade dos sulcos também influencia no desempenho dos pneus, sendo, geralmente, os mais profundos, de maior resistência à variação e aumento de temperaturas. Isto está diretamente relacionado à severidade dos pneus, confira no próximo tópico.

Severidade dos pneus

Existem três classificações de severidade dos pneus, sendo elas:

Alta: 

Uma alta severidade significa que os sulcos são mais profundos. Esse é o melhor tipo de pneu para viagens urbanas, pois é o mais resistente às constantes acelerações e frenagens que aumentam a temperatura dos pneus.

Média

A média severidade equilibra as características dos outros dois tipos de pneus, sendo tanto uma boa resistência quanto um bom desempenho em alta velocidade. 

Costuma ser o tipo de pneu mais utilizado no transporte rodoviário, que exige que os caminhões façam rotas intercalantes entre rodovias e territórios urbanos, por vezes, passando até por estradas de chão.

Baixa:

O pneu de baixa severidade é o que apresenta menor resistência e melhor desempenho em alta velocidade, o tornando ideal para viagens de longa distância em rodovias estaduais ou interestaduais. 

Ele também é leve e contribui para a economia no consumo de combustível da frota.

Pressão dos pneus

A pressão dos pneus é controlada durante a calibragem. Para todo modelo de veículo, existem valores determinados pelas fabricantes que recomendam uma pressão ideal para o desempenho do veículo e melhor desempenho dos pneus.

Contudo, os diferentes modelos de pneu em um mesmo veículo tem performances distintas e as condições das estradas também influenciam nisto. Dentre outros fatores, o melhor que você pode fazer é monitorar a pressão dos pneus e seu nível de desgaste.

Dessa forma, reúne informações suficientes para realizar uma análise de desempenho dos pneus, identificando se a pressão pode ser a causa para resultados negativos e fazendo ajustes na calibragem até chegar na pressão ideal para cada marca e modelo, assim como para cada rota percorrida nas operações da transportadora.

Calibragem de pneus

A calibragem de pneus garante ao caminhão uma melhor estabilidade e reduz o desgaste dos pneus. Além disso, tem uma excelente consequência:

A economia no consumo de combustível.

O ato de calibrar pneus deve ser uma tarefa rotineira nas frotas. Há especialistas que defendem a necessidade de calibrar todos os dias. Porém, dependendo da quantidade de veículos na operação, isto se torna inviável. 

Por isso, o mais recomendado é que a calibragem seja realizada uma vez por semana. No mesmo ritmo, uma vez por semana deve ser feita a aferição de pressão para que os dados sejam registrados para análise posterior.

Banda de rodagem

A banda de rodagem é, nada mais, nada menos, que a parte do pneu que fica em contato direto com o solo, garantindo aderência e firmeza ao veículo. Seus tipos variam de acordo com a condição da superfície que o caminhão vai rodar. Eles são:

  • Direcional: gera estabilidade ao veículo, principalmente em curvas, e tem melhor desempenho em alta velocidade;
  • Bidirecional: gera mais tração com o solo;
  • Simétrica: tipo de banda voltada para dar mais equilíbrio ao veículo;
  • Assimétrica: possuem melhor desempenho em pistas molhadas e rotas com muitas curvas;
  • Off-road: banda exclusiva para deslocamento em estradas de terra, granito, terrenos acidentados, etc.

Lateral do pneu

A lateral do pneu, também chamada de flanco, é responsável por amortecer as irregularidades do solo. É por esse motivo que ela é composta por uma borracha mais resistente e flexível, além de conter informações importantes do pneu.

Essas informações incluem, respectivamente: a data de fabricação do pneu; sua largura e altura; identificação de pneu radial ou diagonal; seu diâmetro; e os índices de carga e velocidade máxima.

Ao final disso, há um espaço vazio para poder ser realizada a identificação dos pneus, seja pela marcação a fogo ou outro tipo utilizado na sua frota.

Inclusive, a criação desta marca para os pneus é essencial para que você consiga identificar o desempenho individual de cada ativo e evitando uma perda antecipada dos seus pneus.

Esta, que também acontece por outros motivos, como a negligência em realizar a aferição de pneus e acompanhar seu desgaste ao longo do tempo.

Para entender como prolongar a vida útil dos ativos, sugerimos que veja outro conteúdo  em nosso canal no YouTube:

Autor

Luiz Felipe

Sócio fundador e CTO na Prolog App

Leia também

Que tal receber conteúdos incríveis como estes e totalmente de graça?

Inscreva-se e reveba as melhores dicas e novidades para melhorar os seus resultados e de sua operação na gestão de sua frota.

O Prolog utiliza as informações de contato fornecidas à nós para informá-los de nossos produtos e serviços. Você pode deixar de ser inscrito a qualquer momento. Para saber mais informações de como ajustar suas configurações de privacidade, confira nosso “Termo de Uso” e nossa “Política de Privacidade”.

Gestão de pneus ágil e descomplicada para mais economia e segurança

Esqueça a papelada! O controle de sua frota na palma de sua mão.

Além destes, temos outros materiais para te ajudar na gestão de sua frota.

O conteúdo que você já gosta e acompanha sobre o universo da gestão de frotas também está em vídeos publicados semanalmente e lives exclusivas com convidados.

O conteúdo que você já gosta e acompanha sobre o universo da gestão de frotas também está em vídeos publicados semanalmente e lives exclusivas com convidados.

Soluções

Gestão de pneus ágil e descomplicada para mais economia e segurança.

Esqueça a papelada! O controle de sua frota na palma de sua mão.

Gestão de pneus ágil e descomplicada para mais economia e segurança

Esqueça a papelada! O controle de sua frota na palma de sua mão.